Uncategorized

Polícia não pode prender por falta de uso de máscara- Blog Giga Medical

Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

Estados estão adotando medidas
administrativas sancionatórias essenciais para o combate da Covid-19, mas há
gravíssimos equívocos jurídicos e políticos que merecem reflexão. A
obrigatoriedade do uso de máscaras implantada em vários estados e municípios,
por exemplo, é medida sanitária que está dentro dos limites da
discricionariedade vinculada que legitima o poder público. Porém, para que
assim permaneça, não pode trazer consigo as consequências processuais penais
que temos observado em alguns estados da Federação.

Um caso é a não utilização de máscaras
por parte do cidadão, que poderá gerar multas administrativas e até mesmo
eventual ação por infração ao delito previsto no artigo 268 do Código Penal,
pois é crime “infringir determinação do poder público destinada a impedir
introdução ou propagação de doença contagiosa”. No entanto, a prática de tal
delito não gera prisão em flagrante, condução coercitiva ou qualquer outro ato
de força contra aquele que praticar tal conduta.

Assim, com base na famosa (e mal
apelidada) Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei 9.099/95), eis que lá, no
parágrafo único de seu artigo 69, encontramos vedação expressa à prisão em
flagrante quando o “autor do fato (…) for imediatamente encaminhado ao
juizado ou assumir o compromisso de a ele comparecer”.

Estamos diante de um delito de menor potencial ofensivo (categoria na qual se encaixa o artigo 268 do Código Penal, haja vista sua pena máxima não ultrapassar um ano). Os fóruns estão fisicamente fechados. Dessa forma, é inviável conduzir qualquer pessoa do povo aos juizados, imediatamente. A única alternativa restante ao digno policial que for cumprir a ordem estatal é, no momento da abordagem, ter em mãos um termo de compromisso no qual o “delinquente” assume o compromisso de comparecer ao juizado, quando chamado. Após assinatura, a pessoa deve ser imediatamente liberada, na forma estrita da lei, para retornar à sua residência.

Qualquer restrição da liberdade de ir e
vir, por prisão em flagrante em virtude do delito aqui debatido, não é força de
lei, mas abuso de autoridade, conforme artigo 9.º da Lei 13.869/2019. Diz o
dispositivo: “Decretar medida de privação da liberdade em manifesta
desconformidade com as hipóteses legais”. Tanto de quem a executa quanto de
quem a ordena.

Diante do cenário, é interessante que
policiais usem o termo, colham a assinatura, mas não prendam aquele que
porventura desrespeitar a determinação editada nesse sentido.

Daniel Gerber é advogado criminalista com foco em gestão de crises e compliance político e empresarial.

Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Fonte www.gazetadopovo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *