Uncategorized

Regio tem a 3 maior taxa de ocupao hospitalar- Blog Giga Medical

Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Terça-feira, 19 de maio de 2020

A análise do Censo Covid-19 do governo de São Paulo entre as Regionais de Saúde do Interior e Litoral, indica que a Diretoria Regional de Saúde X Piracicaba (DRS-X), que abrange 26 cidades da Região, tem mais leitos hospitalares ocupados por pacientes com o novo Coronavírus do que a de Campinas (SP). Piracicaba ocupa a 3ª posição, fica atrás apenas da Grande São Paulo, em 1º, e a Baixada Santista, em 2º lugar. Os dados são referentes ao último sábado (16) e apontam que a Área da DRS-X, que conta com 1,5 milhão de habitantes, e a maior cidade é Piracicaba, contava com 40,3% de leitos de Enfermaria ocupados e 63,4% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) com pacientes por Covid-19.

Na Grande São Paulo, estavam ocupados no sábado, 73,9% das vagas nas Enfermarias e 92,2% das UTIs. Na Baixada Santista, a ocupação das Enfermarias era de 54% e das UTIs, 76,4%. Na Região de Campinas, que tem ocupação menor que Piracicaba, tinham pacientes com Covid-19, no dia 16, 35,3% dos leitos de Enfermaria e 59,1% dos leitos de UTI.

O diretor da DRS-X Piracicaba, Hamilton Bonilha, afirmou que os dados do Censo são acompanhados diariamente e o aumento das internações hospitalares deve principalmente porque a Região tinha um quadro crítico de leitos, que foi melhorado com o funcionamento do Hospital Regional.

“Já foram aprovados mais 20 leitos de UTI para o Hospital Regional. Se esses leitos ficarem prontos, poderemos melhorar a taxa de ocupação, mas atualmente não temos. A previsão é que ao menos cinco leitos com respiradores fiquem prontos no final do mês”, comentou.

Bonilha ressaltou que o crescente número de casos confirmados de Covid-19 de Piracicaba, a maior cidade da região da DRS-X, contribui para o aumento das internações. “O isolamento social não está sendo respeitado pela população conforme o recomendado. O resultado é mais pessoas doentes ao mesmo tempo. Também é baixa a quantidade de testes que vêm sendo realizada, o que não contribui para o isolamento rápido dos doentes”, explicou.

Para Bonilha, a população precisa se sensibilizar porque tem aumentado o número de casos graves que precisam de longo tempo de internação.

“A doença está afetando muitos jovens. Acompanho três pacientes de 25, 32 e 42 anos de idade, que estão internadas. Elas são jovens e o quadro da Covid-19 evoluiu de forma grave nelas. O que temos visto nos exames dos pacientes é uma agressão pulmonar sem precedentes. É tão grave, que não sabemos se mesmo após a recuperação dos pacientes, eles não terão sequelas pulmonares, se a lesão causada pelo novo Coronavírus poderá ser revertida. Recomendo a quem puder, evite contrair o vírus, use máscara e espere para se contaminar quando tiver uma vacina”, afirmou ele, que também é médico infectologista.

O isolamento social de Piracicaba, no domingo (17), foi de 48%, conforme o Sistema de Monitoramento Inteligente do governo estadual. Na mesma data, a avaliação do respeito às orientações de distanciamento social atingiu 54% no Estado. Na Capital, foi de 56%.

Entre os Hospitais que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com Covid-19 na DRS-X, estão o Hospital Regional de Piracicaba, Hospital dos Fornecedores de Cana (HFC/Piracicaba), Santa Casa de Piracicaba, Hospital São Luís de Araras (SP), as Santas Casas de Pirassununga (SP), Limeira (SP) e Rio Claro (SP), Hospital Humanitária de Limeira (SP).

“A cidade de São Pedro (SP) pediu credenciamento de leitos de UTI ao Ministério da Saúde, para pacientes com Covid-19. Se atendido o pedido, também será importante para melhorar a taxa de ocupação”, afirmou Bonilha. No HFC, eram 14 pacientes internados no dia 13 de maio, por Covid-19, a maior quantidade de pessoas no Hospital desde o início da pandemia.

A Unidade já hospitalizou 82 pessoas, entre 14 de abril a 15 de maio. O mais novo tinha 41 anos de idade, mas a grande maioria está acima dos 60 anos de idade. Dos 337 pacientes que colheram exames por suspeita de Covid-19 até o dia 15 de maio, 60 deles tiveram diagnóstico confirmado. Segundo a Unidade, dois óbitos ocorreram por causa do novo Coronavírus. Nesta segunda-feira, cinco pacientes confirmados e nove suspeitos estavam no HFC.

O período de permanência de um paciente com Covid-19 na UTI é, em média de 21 dias e, na Enfermaria, de quatro a sete dias. O HFC informou, também, que há pessoas que ficam mais tempo hospitalizadas. “Há um paciente internado desde o dia 31 de março de 2020, na UTI, e desde o dia 30 de abril de 2020, na Enfermaria”, ressaltou a Instituição.

Na Santa Casa de Piracicaba, nesta segunda-feira, oito pessoas estavam internadas. Seis confirmados com Covid-19 e dois suspeitos da doença. Desde o início da pandemia, 48 pessoas há foram hospitalizadas na entidade e ocorreram dois óbitos.



Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Fonte www.gazetadepiracicaba.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *