Uncategorized

Máscara e almoço de morador de rua viram confusão em restaurante no Centro – Capital

Blog Giga Medical

Barrados em dois restaurantes, artesão que mora na rua conseguiu almoçar em churrascaria.
Barrados em dois restaurantes, artesão que mora na rua conseguiu almoçar em churrascaria.

Obrigatório, o uso de máscara foi pivô de confusão na hora do almoço ontem (dia 19) no Centro de Campo Grande, mas o episódio também teve pano de fundo: a pessoa barrada é morador de rua.

O vendedor Jair Soares da Silva Júnior, 23 anos, conta que saiu do trabalho para almoçar e um morador de rua, que trabalha com artesanato usando arames, pediu dez centavos para inteirar dinheiro para comprar comida. Ele conta que decidiu pagar um prato feito para que o homem pudesse escolher o que queria comer. Primeiro foi a um restaurante na Rua Dom Aquino, mas o morador de rua foi barrado.

Eles foram então para restaurante na Avenida Calógeras, onde a confusão foi gravada por Jair e o vídeo repercutiu foi postado nas redes sociais. Segundo o vendedor, o morador de rua foi olhado de cima abaixo pelo comerciante, que disse para Jair comprar uma marmita. “Perguntei por que ele não poderia comer lá?”, conta o vendedor. A reposta foi a falta de máscara, mas Jair respondeu que a pessoa estava com o item de proteção.

As imagens gravadas mostram o rapaz puxando a máscara, que estava um pouco abaixo do nariz, e ânimos exaltados. O dono do restaurante discutia sem máscara.

A imagem mostra gente parando ver a discussão acalorada. No vídeo, o proprietário nega preconceito. O vendedor pergunta para um homem se o morador de rua pôde entrar e a pessoa responde que não. “Voltei para a loja chorando de raiva”, conta Jair.

A polícia militar foi acionada, mas não houve registro de Boletim de Ocorrência. A doação do almoço só foi concretizada em uma churrascaria, também no Centro. Onde o morador de rua pôde se sentar e fazer a refeição, que custou R$ 15 ao vendedor.

Por meio de nota, o restaurante, local em que a confusão foi gravada, nega que tenha ocorrido preconceito e informa que, apesar de não ser sua obrigação, doa diariamente marmitex no fim do expediente para pessoas em situação de rua.

“Um suposto cliente consultou o valor de um marmitex e ao ser informado, efetuou o pagamento, chamando uma pessoa em situação de rua para entrar no restaurante. Porém, devido à pandemia e à obrigatoriedade do uso da máscara, informamos que a entrada só era permitida com máscara, mas que daríamos o marmitex ao rapaz”, diz a nota.

Segundo o posicionamento encaminhado à reportagem, começou uma confusão com agressões verbais que quase chegaram às vias de fatos, com gravação de vídeo. “Cujo objetivo parecia ser o de expor de maneira negativa nossa empresa para ganhar likes nas redes sociais, nos acusando de preconceito, entre outras ofensas. Temos vídeos do nosso monitoramento interno que mostram a situação real, do começo ao fim”.

Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Fonte www.campograndenews.com.br

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *