Uncategorized

A invenção da máscara | demitri-tulio

Blog Giga Medical



DemitriIlustra03072020
DemitriIlustra03072020

Parece que a máscara será, por longo tempo, mais uma peça a viver em nosso corpo público. Talvez, igual ao soutien, a cueca e a calcinha. Sim, podemos ir à rua sem um desses três, mas há uma sensação de que nos falta algo. Ou não.

Bem, fui criado com na mentalidade besta de que mesmo num calção e numa calça comprida, por baixo, deveria constar uma cueca. Quando menino, achava que era somente para proteger a pinta miúda dos dentes do fecho éclair. Como doía!

Era algo relacionado, também, com higiene pessoal e coisa de pudores clandestinos. Poderia ser vexame para um menino descobrir o prazer no meio da rua, num short foló e no osso. E o risco dos outros baixarem seu calção quando menos esperávamos! Jesus.

E quanto aos pedófilos e a fantasia deles pelo traje tão inocente para meninos e meninas, não me lembro de alguém falando claramente sobre o risco de invadirem meu corpo sem permissão.

No machismo, meninas tinham de sentar com as perninhas fechadas desde pequenas. Para não mostrar algo medonhamente enclausurado, para não dar brechas e superproteger o que nem sabiam nominar nem ler.

Talvez, mais simples, fosse pai e mãe terem iniciado, sem a presença do bicho de sete cabeças, conversas sobre afetos. E as possibilidades de o corpo pedir para ser Pina Bausch e sentir gozo do fio de cabelo da cuca ao dedinho menor do pé.

Não. Alguns bosques foram sendo interditados e a cueca, a calcinha e o soutien eram o muro alto que proibia pulá-los. Toda raia caia lá, toda goiaba madura apodrecia ali porque não podíamos.

Agora, temos mais um troço no corpo para nos proibir a boca, o beijo, o sorriso, a língua, o gesto. Digo assim, mas não se vê outra saída, por enquanto, para não morrer de Covid-19 ou matar alguém contaminado.

Mas é estranho ter de ir aos lugares, da praia ao açougue, vestido o rosto nessa peça que já considero intima para além da higiene sanitária coletiva.

Sim, poderá deixar marcas de bronze igual a um biquíni, a uma sunga. Poderá virar fetiche pedir à moça ou ao moço bonito para retirar a máscara, mostrar o que há por baixo. Sorriso e duas covinhas, nariz atraente, lábios que nem esperava. Só não seis como ficaram os batons vermelho ou preto?

Já vi virou viral, varais e varais a quararem máscaras lavadas no Giovanna Baby. Penduradas. Alguém querendo mostrá-las e alguém que as olha pela janela do Instagram o quintal da casa alheia sempre aberta. Coloridas, decotadas, pretas, extravagantes, pudicas, frias…

No chão, perto dos pés da cama, estarão também máscaras além de cueca, meias, “califon”, vestido, combinação e lingerie. Acho que ninguém chegará ao ponto de cheirar a máscara do outro. Não, não. Mas elas serão parte do corpo nu nessa nova idiotice terráquea chamada de “nuevo normal”.

E como somos bons nisso, logo logo nos acostumaremos ou continuaremos a desafiar o proibido.


Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Fonte mais.opovo.com.br

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *