Uncategorized

No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau

Blog Giga Medical

Já se tornou rotina em Campo Grande, ao entrar em algum estabelecimento comercial, parque ou prédio, o termômetro com sensor infravermelho, chamado por muitos de “pistolinha”. Mas afinal, existe diferença na aferição da temperatura se ele apontar para a testa ou para o pulso?

Um boato, já desmentido pelo Jornal Midiamax, dizia que o aparelho poderia causar câncer nas pessoas, caso fosse apontado para e testa. De acordo com a assessoria da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), o boato surgiu principalmente por conta de uma particularidade do aparelho.

Ao ser apontado, o aparelho dispara uma luz de led, que ao olho nu parece uma espécie de laser. “Por conta disso, as pessoas passaram a acreditar que poderia ser emitido algum tipo de radiação ou algo assim, mas na verdade é ao contrário, o aparelho não emite nada, nem radiação, nem micro-ondas. Ele capta a energia (o calor) exalado pelo corpo e transforma em um valor numérico”, explicou a assessoria da secretaria.

Ainda de acordo com a Sesau, o laser que gerou preocupação em muitos tem uma única e inofensiva função, informar à pessoa que manuseia o termômetro para onde o aparelho está sendo apontado, como uma mira.

Mas existe um local especifico para apontar o termômetro?

No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau
SESAU alerta que aferição no pulso pode apresentar alteração na temperatura apresentada. (Foto: Henrique Arakaki)

Na verdade, sim. A Sesau explica que a principal recomendação é que a pessoa que manuseia o aparelho siga as normas do fabricante, seja na testa, atrás da orelha, ou até mesmo o pulso.

Caso o fabricante não determine um local especifico para onde apontar o termômetro, “o local que recomendamos, com base nos livros, é a testa, pois no pulso pode apresentar alterações na temperatura”, informa a secretaria.

Se apontado para o pulso, o aparelho pode apresentar uma temperatura de até 0,8° abaixo da correta, ou seja, “pode fazer com uma pessoa febril seja considerada sem febre, ou uma pessoa com febre seja considerada febril”, disse a assessoria da Sesau.

A reportagem foi até a entrada do Parque Ecológico do Sóter, onde só é permitida a entrada de pessoas com uso de máscaras e após a aferição da temperatura corporal. Lá a recomendação é clara, medir no pulso e na testa dos frequentadores.

Segundo a pessoa que manuseia o aparelho, já se sabe que a aferição no pulso pode apresentar alterações e por isso a recomendação de que seja feita nos dois locais, em alguns minutos no local, nenhum dos frequentadores reclamou do aparelho ser apontado para a testa.

E caso eu me recuse que minha temperatura seja aferida na testa?

Como explica a Sesau, cada estabelecimento, local ou órgão tem suas próprias regras, já que a secretaria faz apenas recomendações sobre o uso do aparelho e não determinações.

“Se a norma de algum estabelecimento proíba que clientes ou frequentadores adentrem no local caso a aferição não ocorra na testa, o cliente pode ser barrado, até porque se trata de um local particular”.

Já pensando nas dúvidas que o termômetro infravermelho possa causar, a Sesau publicou um manual de recomendação de uso, que pode ser acessado clicando aqui.

Entre as principais recomendações, estão que o aparelho necessita ser apontado para a testa e afirma que o procedimento pode ser realizado diversas vezes sem causar nenhum tipo de incomodo ao usuário.

Esse aparelho é recomendado pois, como não existe contato, evita a contaminação cruzada. Ele deve ser apontado a uma distância de 1 a 5 cm, conforme recomendado pela Secretaria.

 

No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau

Giga Medical – Trazendo o melhor em equipamentos de proteção e hospitalares

Fonte www.midiamax.com.br

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *